CONTOS   CRÔNICAS    POESIAS    TEXTOS DIVERSOS    REALIDADE & REFLEXÃO   FICÇÃO   CIENTÍFICA    MÚSICA    IDENTIFICAÇÃO      ESPECIAL    ARQUIVO     IMAGENS     LINKS  

                                         ARQUIVO -47-        

                                               

    ABRIL-2010

                                                      

DATAS DO MÊS

04-04- PÁSCOA

19-04 - DIA NACIONAL DO ÍNDIO

21-04 - TIRADENTES

22-04 - DESCOBRIMENTO DO BRASIL

28-04 - DIA DA EDUCAÇÃO

                                                      

         

 

                                          FUTURO  

                                             Por Armando de Oliveira Caldas

 

       Nem sempre o amanhã é o que esperamos. Nos abatermos diante das realidades não é caminho para ninguém. Custe o que custar temos que levar em frente nossos projetos para que nossa vida tenha significado.

       Aquilo que passou por vezes deixa marcas, mas da mesma forma que tudo se renova com o nascer do sol, lembrar que tudo já passou e sempre continuará assim é a forma mais correta de organizarmos nossas mentes.

       A aceitação de nossas imperfeições leva-nos a um estado correto para enfrentarmos o futuro.  Não será maldizendo ou reclamando que conseguiremos vencer os obstáculos naturais de nossa existência.

        O tempo passa para todos, queiramos ou não. Os anos nos envelhecem, mas a firmeza de se manter bons conceitos geram sabedoria para entendermos as mudanças.

         Para quem já viveu um longo espaço por vezes se surpreende com as inovações, porém temos que perceber que tais mudanças se encontram principalmente na área material, pois o organismo humano continua e continuará sempre o mesmo.

          Isto quer dizer que somos limitados, que não existem nem cientistas nem autoridades que possam definir regras para mudar o curso da forma de vivermos. Somos iguais a qualquer elemento vivo, teremos sempre um ciclo de permanência.

           Não fosse isto a Terra não comportaria o volume de pessoas (óbvio), seria o caos.

            É um limite necessário em que a renovação da espécie acaba por nos fornecer alegrias e tristezas, parte integral do cotidiano.

             Dinheiro, fortunas, laboratórios, ciência e os conhecimentos humanos poderão até aumentar um pouco o espaço da vida, mas não impedirão o fim natural de cada um.  

                               

          

 

                     OBSERVANDO AS ESTRELAS  

                            Por Armando de Oliveira Caldas

 

            Viver no mundo das estrelas é desligar-se de nossa rotina e pensar na imensidão de astros que estão à nossa volta.

             Quem nos dera podermos flutuar e procurar os demais sóis que com certeza também iluminam suas famílias de planetas. Aí vem o pensamento:

          --- Onde haverá mundos semelhantes à Terra? Será que no futuro os encontraremos?

           Imaginamos existirem, mas fora do alcance humano.

           Por mais capacitados que pensamos estar no momento, é provável que passem milênios e ainda não tenhamos respostas.

           Contamos apenas com a ficção que nos leva para lugares incríveis, apenas uma previsão daquilo que realmente não conhecemos.

           Quem sabe não deva ser muito diferente da série “Jornada nas Estrelas”.

            Mundos diversos, com formas de vida parecidas com as existentes aqui ou incompreensíveis para nós.

            No entanto a vida é rara se nos basearmos em nosso próprio sistema solar onde vários mundos recebem a luz do astro rei, mas somente a Terra se privilegia com a vida. Assim, embora vemos uma enormidade de estrelas, detectar um mundo igual ao nosso não será fácil. Poderão existir milhões de planetas, porém estéreis. Contudo na imensidão sideral não devemos ser os únicos a desfrutar de um lugar apropriado.

            Vamos então apelar para a ficção e pensar na existência de planetas semelhantes onde “homens e mulheres” também lutem pela subsistência. Serão iguais a nós? Matam os semelhantes, fazem a guerra?

            Numa coisa acredito, não estamos sós.