CONTOS   CRÔNICAS    POESIAS    TEXTOS DIVERSOS    REALIDADE & REFLEXÃO   FICÇÃO   CIENTÍFICA    MÚSICA    IDENTIFICAÇÃO      ESPECIAL    ARQUIVO     IMAGENS     LINKS    

                      ARQUIVO - 41     

                                          

        OUTUBRO-2009-

;

DATAS DO MÊS

12/10 - DIA DA CRIANÇA

12/10 - NOSSA SENHORA APARECIDA

CLIQUE AQUI EM IMAGENS 5 - trabalhos artesanais de Idaildo Henrique Prado.

                           

TERCEIRO MILÊNIO  MENSAGEM PARA O AMANHà CHÁ DAS QUATRO

 

            Terceiro Milênio

 

                                 Maria Alice Müller

                                                          27/03/2008 

              Estive assistindo um programa na TV, sobre espiritualidade. Espiritualidade não  é religião. Não gosto de religiões, embora respeite todas assim como respeito seus adeptos. Isso não quer dizer que não creia em Deus e que não aceite Jesus como meu rei. Mas penso que religiões trazem dogmas, imposições, que na realidade não foram exigidas por Jesus, já que Ele nunca impôs coisa alguma, apenas ensinou qual o melhor caminho, dando como exemplo sua própria vida. Espiritualidade é a consciência de participação no Todo, sua essência é o amor, e sua prática é a solidariedade.

              Quem desperta para essa dimensão espiritual não se vê separada do outro, da comunidade ou do universo. E quando nos vemos refletidos e unidos ao Todo, nossos atos seguem naturalmente uma ética de solidariedade. Estamos vivenciando uma era de trevas. O investimento no mundo da matéria, se por um lado nos traz grandes avanços tecnológicos que prolongam nossas vidas e nos fornecem recursos para comunicação instantânea com pessoas distantes, por outro leva a Humanidade a ater-se somente aos lucros e a vida material, e em conseqüência promover guerras infindáveis, extinção em massa de espécies, aplicações irresponsáveis da tecnologia.

              É a colisão do humano com a natureza. Investimento maciço na alma é a única forma para a perpetuação da nossa espécie, com qualidade e dignidade. Estamos vivendo uma crise, em âmbito mundial. E é justamente na crise que aparece a oportunidade de crescer e evoluir. Isso é o que me leva a pensar que o ser humano será a maior descoberta do terceiro milênio. O humano do futuro, saído da escuridão e da crise materialista, que destrói relacionamentos, destrói ecossistemas na neurose do progresso compulsivo, terá a tarefa difícil e árdua de reconstruir o equilíbrio da natureza. Natureza abalada em suas estruturas pelo desmatamento desregrado, o descaso e o desrespeito a outras espécies de vida, que não estão no mundo por acaso ou para enfeite, mas fazem parte da manutenção e do equilíbrio do Todo. E essa minha esperança, é respaldada nas palavras de um gênio, ao definir o que é a vida:

              “A vida é como jogar uma bola na parede. Se for jogada uma bola verde, ela voltará verde; Se for jogada uma bola azul, ela voltará azul; Se a bola for jogada fraca, ela voltará fraca; Se a bola for jogada com força, ela voltará com força. Por isso, nunca jogue uma bola na vida, de forma que não esteja pronto a recebê-la de volta. A vida não dá nem empresta. Não se comove nem se apieda. Tudo quanto ela faz é retribuir e transferir aquilo que nós lhe oferecemos.”

              Albert Einsten 

              Maria Alice Müller

                    27/03/2008

                    

                     MENSAGEM PARA O AMANHÃ

                      Por Armando de Oliveira Caldas

    Se não pensarmos num futuro de tranqüilidade, com certeza ele nunca ocorrerá. Para concretizar este sonho a vida nos ensina a paciência, a perseverança e o apego às idéias que ofereçam bons frutos.

     Diante dos conflitos temos sempre que procurar caminhos que evitem a discórdia, embora sejamos vulneráveis. O bom senso e a responsabilidade devem ser as principais armas em nossa vida.

      O dom de existir, de estar presente não é eterno. Compreendendo este período de permanência, podemos usufruí-lo com sabedoria, preparando a descendência.

      Uma síntese do bom viver é compreender e ser compreendido.

      O negativismo é a pior forma de encararmos a vida.

      Quantos benefícios haveria se os meios de comunicação auxiliassem nessa tarefa?  Mostrar as coisas boas é o melhor caminho para um direcionamento da sociedade. Infelizmente não é o que acontece.

       Deveria ser ao contrário, ao invés de serem expostos intensivamente os maus exemplos, mesmo que os atacando, seria muito melhor apresentar as inúmeras formas corretas de viver.

        Não se trata de fazermos igual à avestruz que coloca a cabeça na terra diante do perigo, porém amenizar, cobrindo as adversidades com bom senso.

         A moderação é necessária para uma visão mais humana da sociedade, evitando-se a turbulência diante de fatos não representativos da maioria das pessoas.

          Em nenhuma hipótese podemos condenar manchetes de acontecimentos nada agradáveis, mas o que prejudica é a insistência na divulgação, melhor dizendo, o sensacionalismo.   

                                  

                      CHÁ DAS QUATRO

 

Por José Maria Giannasi – ZECA

 

A turma do Chá das Quatro

Em Andradas já é um fato

Eles têm livros publicados

Para vários cantos espalhados.

 

Como é gostoso ouvir esta gente

Quem vai uma vez, vai novamente.

No meio deles há muita animação

Poesias, causos e até canção.

 

São pessoas variadas

Sempre muito animadas

E sem medo ou atalho

Com alegria mostram o seu trabalho.

 

É um grupo amigo e animado

Andradas para sua cultura

Vai ter muito escrito legado

Tem vários autores saindo do mudo.

 

A cada dia o grupo aumenta

Nas comemorações de aniversários com alegria

É festança que muito se comenta

No Teatro Municipal é aquela festaria.

 

Viva esta turma bacana reunida

Com muita criação apresenta

E a cada dia da sua jornada

Destacando com altivez a Andradas querida.