CONTOS   CRÔNICAS    POESIAS    TEXTOS DIVERSOS    REALIDADE & REFLEXÃO   FICÇÃO   CIENTÍFICA    MÚSICA    IDENTIFICAÇÃO      ESPECIAL    ARQUIVO     IMAGENS     LINKS

                       ARQUIVO -38 -     

                                                  

               

COMENTÁRIO E POESIA    DROGAS   O TEMPO E NÓS

                           JULHO - 2009

DATAS DO MÊS

ULTIMA SEMANA - FESTA DO VINHO EM ANDRADAS

                 

                                        COMENTÁRIO E POESIA

                            

                                                  POR NEIDE SIMEÃO STIVANIN

                                          

  Não sou poetiza, mas não pude deixar de atender a um pedido da Nilza: escrever um poema para comemorar o 15º aniversário do Grupo das Quatro.

  Intitulei de Vidas para homenagear duas grandes amigas que já partiram para junto de Deus Helena Batista Ribeiro e Elaine Ventureli Caldas.

 Maior motivo do título foi a coragem de Elaine em Brasília, gritar até perder a voz em favor da vida contra o aborto, enquanto nós não temos coragem de falar contra os poderosos nem em nossas rodas de conversas.

 Por vidas bem vividas e pelas vidas ceifadas ofereço este poema que conta um pouco de minha vida e das pessoas que fizeram parte dela.

 

VIDAS

 

Mais um dia em minha vida

E no meu dia outras vidas se misturam

Tento dar o melhor de mim

Pois em mim elas o bem procuram

 

E nestes dias percorridos

Quantos momentos diferenciados já pude viver e sentir

As vezes a tristeza da morte

Em outras imensa alegria ao meu ser invadir

 

Enumerá-las em um poema, seria quase impossível

Mas de um momento quero com prazer falar

Quando quatro poetizas adentram o estúdio

Através das ondas do rádio, o grupo das Quatro querem divulgar

 

E a notícia se espalhou

A Helena, Elaine, Nilza e Francisca, outras vidas se juntou

E o que se chamava de Grupo das Quatro

Somente o nome sobrou

 

Mas cada vida tem seu tempo e chega ao fim para todos

Chegam uns, partem outros, não importando se bons ou maus

Alguns fazem da vida, calvário, suplício, dor

Outros vivendo intensamente pela vida a fora

Um lindo poema de amor!  

              

                                          DROGAS  

 

                                          Por Armando de Oliveira Caldas

 

     Ninguém consegue acompanhar os filhos em todos os momentos. Esta é a causa principal na evolução do vício.

      O hábito de ingerir drogas vem dos tempos antigos e os velhos são também responsáveis pelo que hoje acontece.

       Começou com o fumo, com o cigarro. Lembro-me perfeitamente dos amigos que me forneceram o primeiro cigarro e, até hoje estou a enfumaçar por dentro e por fora.

        A conversa é a mesma:

        --- Experimente!

         A diferença é que hoje drogas mais pesadas circulam nas mãos dos jovens, mas tenho certeza que o tipo de conversa é a mesma.

          Por acharem que aquilo é apenas uma experiência embarcam na desgraça.

          Voltam a repetir o ato e quando percebem estão no grupo dos narcóticos.

           O resto é o que estamos vendo no dia a dia, sem precisar de maiores comentários.

            Barbaridades são cometidas em função de uma atitude impensada que partiu da primeira vez que o usuário se dispôs a cheirar ou fumar um preparado que não faz parte da alimentação do organismo.

            Agora estamos nesta luta contra as drogas, mas são os viciados que devem dar um basta e DIZER NÃO Á DROGA.

            Quantos pais e mães se desesperam para verem seus filhos passarem para uma vida normal.

            Será que não vale a pena alguém dizer:

            --- Fui um viciado e hoje estou livre!

            É necessário um trabalho muito grande. Principalmente na observação de atitudes em casa, na constante advertência para não entrarem para a lista de pessoas que tudo perdem na teima de continuarem a utilizar drogas. A consciência é deles e é necessário que caiam em si do absurdo que estão fazendo com o próprio corpo. Sempre é tempo de voltar a traz. 

            

 

                                             O TEMPO E NÓS  

                          Por Armando de Oliveira Caldas

 

           Quando o tempo passa é que vamos percebendo as mudanças. São necessários anos para encontrarmos definições que somente a idade nos permite. Não é através do dia a dia que conseguimos encontrar as razões da vida. Todos sabemos que é passageira, mas muitas vezes nos esquecemos de perguntar a nós mesmos o porque deste espaço.

           Desde o simples tempo escolar nossa mente começa a aquirir conhecimentos, muitas vezes de grande utilidade para os que continuarão na tarefa de melhorar a si e transmitir as boas coisas para um viver real. Eterno, claro que não somos. Viver não é apenas esperar a morte, é auxiliar a construir um mundo melhor e expor idéias que mais cedo ou mais tarde surtirão efeitos benéficos.

          Se o homem apenas pensa em enriquecer-se esquecendo o resto perde-se na sua própria ingenuidade que é a de passar o tempo sem pensar nos semelhantes. Assim, é bom que quanto antes caia na realidade de uma vivência partilhada possa dar muito mais de si do que ele mesmo supõe.

          Usufruir dos bens materiais que a ciência nos colocou às mãos é justo e necessário, faz parte do acompanhamento evolutivo do bem estar, mas não apenas isto completa a existência.

           O homem pode fazer muito mais, basta olhar ao redor, ver a fome, a miséria, os desajustes sociais e no mínimo das idéias de como melhorar. Fechar os olhos e deixar seguir coisas erradas não é compartilhar com as palavras do CRIADOR.