CONTOS   CRÔNICAS    POESIAS    TEXTOS DIVERSOS    REALIDADE & REFLEXÃO   FICÇÃO   CIENTÍFICA    MÚSICA    IDENTIFICAÇÃO      ESPECIAL    ARQUIVO     IMAGENS     LINKS

                           ARQUIVO-35-      

           

                                             ABRIL-2009

                    

DATAS DO MÊS

12-04- PÁSCOA

19-04 - DIA NACIONAL DO ÍNDIO

21-04 - TIRADENTES

22-04 - DESCOBRIMENTO DO BRASIL

28-04 - DIA DA EDUCAÇÃO

                                 

UM MOMENTO   ESPELHO  PENSAMENTOS   FIM DO MITO ESPACIAL

                                                          UM MOMENTO

                                 Por Nilza Alves de Pontes Marques

       Quando me lembro de minha saia esvoaçando pelo salão – uma saia cor-de-rosa pintalgada de lantejoulas – pontinhos coruscantes... e me lembro! Se me lembro! De seus braços quentes a me aconchegar de forma suave e firme ao mesmo tempo.

        Quem mais dançava ao redor? No início o salão apinhado, depois só nós dois. Os outros sumiram ao sabor de minha fantasia.  Só havia a música, nossos passos, nossa magia. As bocas emudecidas. Um leve roçar de faces, instigando, enlevando. A proximidade formando um elo saudável de sentimentos fortes, muito fortes. Algo invisível a prender, a ligar, a preencher.

         Quanto tempo durou? Minutos, horas, meses, anos... uma eternidade? Uma eternidade!

         Num momento a música cessou. Foi um choque, um descer das nuvens douradas para a terra imperfeita e feia. Um estrondo, um rugir, cinzas cobrindo tudo. Depois, há ainda um sorriso cúmplice, um tênue aperto de mãos. E um olhar. Em que se dizia tudo. Ou mais se dizia. Palavras... para que? Se haveria sempre este estremecimento, estas brasas fingidas que com tão pouco se reacendiam.

         Olhos presos, de repente, um de nós quebra o fio. Cada um se volta pesadamente, costas com costas, saindo a procura de seus consortes.

         E tudo se apagou. A magia se apagou. A beleza se apagou. E dentro de mim a esperança se apagou também.

Andradas, 24/10/2006.  

                              

                                ESPELHO

 

                                 Por Idaildo Henrique Prado

 

O amor reflete entre as estrelas...

A procura do verdadeiro caminho.

Se perde na solidão das noites,

Brilha, rebrilha,

Reflete a sua imagem,

Fica escondido

Atrás das nuvens.

De repente...

Se encontra com o luar,

Mas, rapidamente

Aparece

Em outro lugar.

Nas manhãs

Surge novamente

E se aquece

Sobre os raios solares

Enfeitando as flores...

As mais belas do mundo,

Continua,

Brilhando,

Procurando,

Se espelhando

Sobre o passado,

Esperando

O reflexo

Da saudade

Para juntos

Se formarem

Uma única luz...

Um só coração

Dois desejos –

Amor, amor.  

                           

 

                                   PENSAMENTOS

                                  Por Idaildo Henrique Prado

 

No espelho da vida

O reflexo...

Deseja,

A imagem da alma.

 

Na eternidade...

Somos estrelas

Perdidas, solitárias

Sobre esse universo do amor

Sempre há procura

Da eterna luz...

 

Meu amor

Antes mesmo de nascermos

Sobre a face terrestre

Nós já nos amávamos...

Pois, as nossas almas

Já existiam sobre o paraíso.  

                              

                  FIM DO MITO ESPACIAL

                            Por Armando de Oliveira Caldas

     Fim dos sonhos. Fim da ficção.

       No correr do tempo a existência de vida inteligente em outros planetas de nosso sistema gerou polêmicas, livros e um turbilhão de idéias que desapareceram.

     Os ficcionistas chegaram a pensar numa civilização em Vênus, mas isto se tornou impossível depois de cientificado que nada pode sobreviver na temperatura de 450º C. Até com relação à Lua, o mesmo aconteceu e, também a impossibilidade de vida original.

     Marte, aos poucos, vai se mostrando estéril e gelado. Tão pouco se pode falar de possibilidade nos satélites de Júpiter ou Saturno. Esta afirmação se acentua ainda mais se enquadrarmos todos os demais astros que giram ao redor do Sol. Assim, o que o homem gostaria de encontrar perde-se em milhares de fotos envidadas pelas sondas. Cada vez mais o sentido de nossa isolação é a realidade mais aparente.

      Porém, surge o pensamento de que somente em outras estrelas poderemos encontrar um planeta semelhante à Terra. Um novo sonho que tende a mostrar que não estamos sós no Universo.

      Com certeza em algum lugar na imensidão um planeta igual ao nosso nos espera.

      De qualquer forma, continuaremos dentro de nossa bola sem qualquer condição de sair dela. As distâncias entre as estrelas são intransponíveis, pelo menos é o que temos no presente.

      Resta-nos cuidar de nossa CASA, - não temos outra.

      Por vezes nos transportamos para mundos de todos os tipos, - nada impede nossa imaginação.

      De qualquer forma não é possível afirmarmos que o homem não chegará num futuro ainda longínquo a ter uma opção de novo lar. Contudo, no presente tudo não passa de fantasia.

      Mesmo que seja encontrado um ou mais lugares, muitas perguntas surgirão: - será habitado? Que forma de vida haverá?

      Por outro lado, o homem já começou a procurar, mas daí a chegar em qualquer um não passa de ilusão para nossa geração. Enquanto o tempo passa, a verdade é que continuaremos a ter apenas a nossa Terra.

      E quanto aos Ets?

      Talvez inteligências alienígenas até já tenham nos visitado, afinal existem milhares de informações que afirmam que OVNIS são vistos em muitos lugares.

       O fato de ainda não estarmos num estágio tecnológico que nos permita chegar às estrelas não impede que isto não ocorra em distantes planetas.

       São bilhões as estrelas e, da mesma forma que pensamos em chegar até elas, provavelmente o mesmo aconteça em algum lugar.

       Da mesma forma que entendemos estar sobre a Terra, chega a ser impossível imaginar que somos únicos no Universo. Em realidade fazemos parte de um grão de poeira diante do espaço ao nosso redor.

        A pergunta continuará a existir:

        --- Onde estarão os seres inteligentes do Espaço?