CONTOS   CRÔNICAS    POESIAS    TEXTOS DIVERSOS    REALIDADE & REFLEXÃO   FICÇÃO   CIENTÍFICA    MÚSICA    IDENTIFICAÇÃO      ESPECIAL    ARQUIVO     IMAGENS     LINKS

                                 ARQUIVO -32-      

              

 

                        JANEIRO 2009

                                                       

 

                                PARA A ELAINE

 

                                                           Por Armando de Oliveira Caldas

 

    Elaine, você foi a luz que brilhou em minha vida, seu intenso brilho marcará meu caminho para sempre.

   Não é fácil falar de você, pois lembrar dos inúmeros momentos ao seu lado me faz entrar no mundo das recordações felizes, obviamente compartilhadas também por sofrimentos.

   Quarenta e cinco anos de vida em comum, onde sua força inesgotável formou um alicerce sólido. Porém, quero agora dizer de sua capacidade intelectual, moral e religiosa.

    Revendo suas anotações encontrei enorme quantidade de manuscritos, onde a poesia, contos e comentários preenchem vários livros. Seus quadros continuam ornamentando nossa casa. Seu artesanato está por toda parte.

    Foram trinta anos orientando jovens em cursos de batismo, alem de ter participado de inúmeras atividades sociais sempre visando transmitir regras para o bem.

    Sua fervorosa fé em Nossa Senhora permaneceu em você até os últimos momentos. Tenho certeza que ela veio lhe buscar, pois você mesmo disse quando enferma:

    --- “Tive um sonho: Nossa Senhora me apareceu e disse que veio me buscar”.

    Seu apego à leitura fez de você uma das pioneiras ao tornar-se uma das fundadoras do “Grupo das Quatro”. Pioneira também foi ao representar nossa cidade em Brasília na 13ª Conferência da Saúde, onde sua voz contra o aborto se fez ouvir.

    Em seus quadros a originalidade está sempre presente, podendo ser visto até sua alma refletida neles.

    Você viveu intensamente, cada momento, sem nunca deixar de lado o apego familiar, preocupando-se com cada um dos filhos. Acompanhando-os em todos os momentos. Cuidava de tudo, da casa, das compras, sendo difícil entender como encontrava tempo para participar de outras atividades. Deve ser levado em conta que ainda se dedicava ao crochê e bordados.

     Cada dia representava um enorme tempo em sua vida, devendo somar também seu conhecimento culinário.

     Você partiu, mas permanecerá em meu coração.

     Escolhi para completar esta minha mensagem à você uma de suas poesias:

                        

                                                           DEUS           

                                                        Por Elaine Ventureli Caldas (em memória)

 

                                --- Eu vi!

                                        Impotente  eu vi!

                                       As chamas lambendo a vegetação.

                                     --- Eu vi!

                                     Na fúria descuidada, em gozo,

                                     Arrastando a devastação

                                     Matando e queimando.

                                     --- Eu vi!

                                     Vi Deus na fúria do vento,

                                     Na revolta das chamas

                                     E insegura clamei:

                                     --- Por que?

                                     Foi quando senti

                                     O frio gelado da gota de orvalho

                                     Correndo livre na minha face.

                                     Pensei chorar.

                                     --- Não!

                                     A água correndo cristalina

                                     Não tinha o gosto do sal.

                                     Era doce, suave e cálida.

                                     Então percebi:

                                     Era o choro sentido

                                     Da natureza magoada

                                     Que foi correndo, correndo,

                                     Descendo ladeira abaixo

                                     Levando consigo a fumaça

                                     E as labaredas apagando.

                                     Então percebi:

                                     --- ELE não estava na destruição,

                                     Chorava comigo

                                     Vendo tanta maldade.

                                     Devagarzinho foi:

                                     Pouco a pouco,

                                     Apagando as chamas

                                     Colhendo com as mãos

                                     Os passarinhos caídos,

                                     Dando-lhes novos abrigos,

                                     Junto a Jesus, seu filho.

                                     Então, só então entendi

                                     Deus não estava na fúria do vento,

                                     Nem no fogo que destruía.

                                     Estava como eu,

                                     Na tristeza do absurdo

                                     Vendo até onde ia

                                     A insensatez do homem.

                     

 

                            PARA A AMIGA QUE PARTIU!

 

                                            Por Nilza Alves de Pontes Marques

                                            Extraído do Jornal Andradas Hoje

 

     As palavras fogem num momento como este. O que dizer: Adeus? O adeus é definitivo.

     Quem sabe um, até logo? Talvez. Só Deus sabe a hora da partida de cada um.

     O que é certo é a lacuna, a falta, o vazio, o espaço aberto. O seu espaço.

      Para onde foi a amiga do coração e de todos os momentos? Sua estrela apagou ou apenas mudou de lugar? Para onde?

      ELAINE VENTURELI CALDAS, o Grupo das Quatro que ajudou a construir, lamenta o seu passamento. Não ouvirá mais o seu riso, sua voz, suas opiniões e nem seus poemas. A sensibilidade aflorada pela alma de artista. Perdemos a companheira incentivadora e cor-de-rosa dos momentos felizes acabou cinzento. A tristeza tomou conta.

      Porém, como tudo passa, continuaremos acreditando nos sonhos e nos ideais de nossos companheiros de Grupo. Seguiremos em frente, pois sabemos ser este o objetivo inicial.

      Acreditamos também, que além da nossa realidade, outro Grupo das Quatro esteja se formando com os nossos queridos ausentes: Ermelinda Cascelli Cury, Wail Abreu, Edivino Ventureli, Helena Baptista Ribeiro, Emilio de Medeiros, Aparecido Medeiros. Agora tendo a frente a líder Elaine Ventureli.

       A todos, a nossa saudade.