CONTOS   CRÔNICAS    POESIAS    TEXTOS DIVERSOS    REALIDADE & REFLEXÃO   FICÇÃO   CIENTÍFICA    MÚSICA    IDENTIFICAÇÃO      ESPECIAL    ARQUIVO     IMAGENS     LINKS

                        ARQUIVO 26      

                                     

 

                                               MARÇO - 2008

                  

DATAS DO MÊS

08/03 - DIA INTERNACIONAL DA MULHER

14/03 - DIA NACIONAL DA POESIA

21/03 - SEXTA FEIRA PAIXÃO

21/03 - DIA MUNDIAL DA INFÂNCIA

23/03 - PÁSCOA

            

"A VOZ DO SILÊNCIO"SOLIDÃO  UMA FAMÍLIA FELIZ A VIDA ABORTO - PRÓS E CONTRAS DONS O QUE NÃO DEVO PERDER

                                                 

                                                                        

                        "A VOZ DO SILÊNCIO"

                                                        Por Wilma Cordeiro

 

                                        Meu grito calou...

                               Agora apenas ouço

                               A voz do meu coração.

                     Seu ritmo calmo, tranqüilo

                               Como um relógio

                               No tic tac do silêncio

                               E... Meu coração me diz

                               Que tudo que procurei

                               Tudo o que sempre quis

                               Tudo que busquei.

                               Da solidão que me afronta.

                                Do amor que encanta

                                Das dúvidas

                                Das desilusões.

                                Esse tudo era nada.

                                Porque na minha estrada.

                                Veio CRISTO a me dizer.

                                -Bendita sejas querida

                                Nesta tua nova vida

                                De amor e devoção.

                                Entre por essa porta...

                                Seja FELIZ

                                Seja VIVA

                                Não grite mais...

                                E no silêncio...

                                Ouça sempre,

                                A voz do teu coração.

 

                                25.05.2007 - WIWI 

 

                                                               

                                                      

                                                             SOLIDÃO

                                            Por Galeno

 

                                              Brincando com as palavras

Oh! Meu Deus, quem diria!

Mas brincar com as palavras

Fazem parte do meu dia a dia.

 

Brincando com as palavras

                                 Descobri que tem muita Serventia,

                                   Pois se não fossem as palavras,

                                        Os poemas não existiriam.

E dessa forma finjo que não estou na solidão.

 

No meu ponto de vista,

Não é pirotecnia.

É muita inteligência e sabedoria.

Mas quem não gosta de poema

Sofre com agonia.

O corpo fica cansado,

A cabeça fica vazia.

 

Existe uma força estranha,

Que de mim apossou-se um dia.

Convive comigo a todo o momento.

Vem me fazendo companhia,

Mas o dia que não faço poema,

Também sinto essa agonia.

Meu corpo fica cansado,

       Minha cabeça fica vazia.  

 

Uma família feliz

 

MÁRCIA

 LAERTE

   I

            SOFIA

        VITÓRIA

   O

Por ser formada em Cristo!!!”

 

                                                                                                                 Por Márcia Garcia

                                                                    A VIDA

 

                                                                       Mário Quintana

 

    A vida é dever que trazemos para fazer em casa.

    Quando se vê já são seis horas.

    Quando se vê já é sexta feira.

    Quando se vê já é Natal.

    Quando se vê já terminou o ano.

    Quando se vê perdemos o amor de nossa vida.

    Quando se vê passaram-se cinqüenta anos.

  

    Agora é tarde demais para ser reprovada.

    Se me fosse dado um dia outra oportunidade,

    Eu nem olharia o relógio.

    Seguiria sempre em frente e

    Iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.

    Seguiria o meu amor,

    Que está muito à minha frente,

    E diria: - Eu te amo.

    Dessa forma eu digo:

 -Não deixe de fazer algo que gosta

 Devido à falta de tempo.

    Não deixe de ter alguém ao seu lado

    Por puro medo de ser feliz!

    A única falta que terá,

    Vai ser desse tempo que infelizmente,

    Não voltará mais...

                         Texto apresentado por Vânia Aparecida de Oliveira Reis 

                      

                                                               

                 ABORTO – PRÓS E CONTRAS

                                           

                                     Por Elaine Ventureli Caldas

 

    O debate continua na internet e em todos os meios de comunicação. Dos dois lados percebe-se que quem é contra ou a favor procura argumentos em todo lugar.

    Os prós apelam para sensibilizar os congressistas dizendo ser um problema de saúde pública. Mostram a estatística de milhares de abortos clandestinos que são feitos por ano e quantas mulheres morrem por incompetência de médicos e parteiras ou entendidas, praticados em quintais. Dizem estar a favor da mulher e de suas vidas, já que, mesmo sendo crime, ainda assim são feitos às escondidas. Liberado, poderiam salvar estas vidas.

    Os que são contra, provam por a+b que não é bem assim. Segundo a regional da OMS/OPAS, em Brasília, os dados feitos pelos abortistas não foram encontrados. Deixando a estatística de lado vamos analisar o que ocorre realmente em nosso dia a dia. O SUS está um verdadeiro caos onde pessoas não conseguem tratamento para doenças consideradas “normais” que nos acometem pela exposição ao sol (câncer de pele, por ex.), agentes químicos, micróbios e vírus de todos os tipos. Quantas mulheres grávidas têm seus filhos em carros e ambulâncias socorridas por policiais e enfermeiros pela demora de encontrar leitos do SUS nos hospitais? Se mesmo para estas gestantes não há leitos, o que faríamos com as que vão a procura de aborto? Cardíacos morrem em Prontos Socorros sem ter, nem mesmo o consolo da assistência médica, por falta dos mesmos. Hoje em dia o que estamos presenciando é alguns estagiários aprendendo nos Pronto Atendimento e quando conseguem um nome, simplesmente montam suas clínicas e deixam os pacientes do SUS a ver navios. Com a aprovação do aborto, o que provavelmente ocorrera é vermos mais jovens engravidando com a falsa promessa de serem atendidas gratuitamente em hospitais convencionados com o SUS. Mais crianças indesejadas serão colocadas no mundo, mais jovens cortados em seus estudos e carreiras para, inadequadamente, serem pais.

      Estamos até agora analisando no plano prático, pois ainda não olhamos o lado moral e espiritual da questão. Quando num debate se coloca esse lado, feministas e ateus entram “de sola”, como se diz na gíria. Criticam grosseiramente crentes e ultrapassados que tentam ensinar a juventude o que é moral e bons costumes. Parece, para eles, que esses valores estão ultrapassados e o moderno, o certo, é fazerem justamente o contrário. Deus! Imagine acreditar em tal entidade! Somente, o beato e velho “coroca”, ainda tem coragem de se mostrar fiel às suas crenças.

     Ignorantes! Atrasados! Ultrapassados! Dizem com a maior convicção bramindo seus diplomas de doutores e cientistas. Esquecem, os mesmos, que os verdadeiros cientistas são humildes e põem sempre a dúvida em tudo que afirmam, pois sempre há alguém mais atualizado que coloca suas teorias por terra.

     Voltando ao nosso principal assunto, ou seja, o aborto, tem-se a levar em conta, creiamos ou não, a Natureza cobra tudo que fazemos com ela. Destruindo a vida, seja de plantas, animais irracionais ou racionais, chega um dia que temos de prestar contas. Estamos vendo isto com a destruição das matas. O clima parece ter ficado maluco. Chuvas torrenciais ou secas fora de tempo. Geleiras se derretendo. Fumaça de queimadas e de produtos químicos destruindo a camada de ozônio. Os seres humanos morrendo como se fossem pequenos insetos arrastados por tsunami, rios de lamas e lavas de vulcões. Casas e carros levados como folhas secas por tornados e ciclones. O que significa tudo isso?

      Creio que é o nosso orgulho e egoísmo sendo mostrado através dos desastres provocados por nós mesmos. É a Vida cobrando por suas vidas destruídas. É o nosso comodismo sendo cobrado pelas forças da natureza.

      A vida só é válida quando demonstramos nosso respeito por ela. Todos desejamos ser respeitados, portanto temos que primeiramente respeitar. Para termos direito à felicidade devemos demonstrar que merecemos, amando e agradecendo todo instante esse direito que nos foi dado que é, o de existir e deixar que outras vidas também existam. É amando e lutando por tudo e todos, principalmente aos seres humanos desde a fecundação até o último suspiro, na entrega do espírito para o Espírito Maior, que iremos encontrar a PAZ tão almejada.

                     

                                         

 

                                          DONS

 

                                     Por Elaine Ventureli Caldas

 

       Deus em sua infinita bondade quis fazer do homem seu parceiro aqui na terra.

      Deu-lhe, como colaboradora, a natureza exuberante, com tudo que ele precisava. Para mostrar que dentro dele havia sido colocada uma centelha de sua Luz, deixou que desenvolvesse e auxiliasse com sua criação.

     O homem herdou de seu Criador condições para criar o que deseja com harmonia, beleza e tudo bem orquestrado. Foi-lhe dado assim, o gosto por determinado instrumento.

     Como não era bom que todos tocassem o mesmo, cada grupo foi se aperfeiçoando em um.

     Alguns receberam o dom das artes, do belo. Formaram-se então os artistas.

    Assim, músicos, cantores, maestros foram se juntando. Os sons haviam sido descobertos. Os pintores deslumbraram-se com as cores vendo o arco-íris que Ele havia colocado como pista no fundo azul do céu. Deu-se então o dom de copiar a natureza.  Porém, Deus não se contenta com pouco. Sabia que havia feito seres à sua semelhança e, portanto, era necessário que eles se ampliassem.

    No persistente rolar das águas e bater nas rudes rochas Ele mostrou o que era preciso para se fazer esculturas.

   Foi assim que se formaram os artistas plásticos.

   Deus ainda não estava contente. Fez com que os ouvidos de alguns se abrissem e a voz se soltasse acompanhando a sonoridade dos pássaros.

   O homem é esperto e percebeu que o Universo é infinito assim como sua alma.

  Com isso resolveu mostrar que poderia se dividir em muitas vidas e suas expressões serem exploradas, surgindo daí os atores.

 Observando as folhas secas rodopiando no bailar do vento, novamente o homem colocou à mostra outro talento, o da dança.

   Deus, inebriado com sua criação, fez das águas dos lagos espelhos cristalinos para refletirem a beleza da natureza.

  Foi assim que, ao se mirar naquele espelho, o homem percebeu seu físico. O que poderia fazer com ele?

  Mais uma vez a natureza veio em seu socorro através da agilidade do felino, a força do paquiderme, a esperteza dos símios!

  Nascia aí o atleta adormecido na criatura humana.

  O homem ainda não estava satisfeito e perguntava-se:

  - Por que os pássaros voam e eu não?

  Era a inteligência mais uma vez despertando e o espírito científico se rebelando.

  Comparou-se com os pássaros. Eles possuíam belas plumagens.

  O homem além do físico passou a desenhar e fabricar vestimentas que o deixavam ainda mais vistoso. Os pássaros cantavam enchendo o ar com sons melodiosos. O homem também fez o mesmo.

  Os pássaros possuíam asas com as quais planavam no ar. O homem não. O que! Aí estava a diferença. Lá foi o homem mais uma vez testar sua capacidade.

  Usando o dom de decifrar enigmas acabou por construir uma aeronave onde, com asas para voar iria, mais uma vez imitar a natureza.

   Aqueles mais reservados não quiseram se exprimir por gestos, sons ou outros movimentos físicos, mas mostrarem o que havia na alma dos seus semelhantes.

   Como se expressar então? Fácil! Inventaram a escrita e transformaram sons, expressões e sentimentos em símbolos.

  Estava formado o grupo de escritores e poetas.

   Deus olhou o homem e percebeu que tudo era bom. Ele era belo e sabia explorar seus dons. Mas... Algo faltava e como Ele é exigente pôs uma pitada de ambição no coração humano. Foi assim que surgiram os matemáticos, os cientistas e para dosar tudo de forma a que um balanceasse o outro fez com que alguns desejassem ser médicos para curar o excesso das almas e dos corpos de seus semelhantes.

    Fez uma natureza generosa onde o homem poderia encontrar de tudo para sua sobrevivência. A beleza para os artistas plásticos, os sons para os cantores e músicos, as plantas para os cientistas descobrirem as curas, os mistérios para despertar o senso prático dos matemáticos. Pensou em descansar, já que sua criação era perfeita e poderia continuar sozinha, mas faltava algo. Viu que, por mais que o homem aperfeiçoasse seus dons, ainda assim, ele não conseguia ser totalmente feliz. Ele era inseguro, triste e ansioso.  Assim notou no homem que algo havia saído errado.

   O que seria?

   Ele era perfeito, ou quase. Possuía a centelha divina da criação. A inteligência para perceber que devia explorar sua sensibilidade naquilo que mais lhe agradava. O que faltava ou passava então? A Luz sabia muito bem o que acontecera.

   Num esforço muito grande fora o homem desenvolvendo habilidades cada vez maiores até que ...

    Até que o egoísmo o fez crer ser maior que o Criador. Foi aí que pôs tudo a perder. Passou a destruir aquilo que o Pai havia criado para ser o companheiro e o seu exemplo, a própria natureza.

   Ser Infinitamente Sensível viu que, no interior de sua criatura havia entrado, alojada e desenvolvida a sementinha do egoísmo. Deus, porém imensamente Sábio, prevendo o futuro colocou no meio da humanidade pessoas com outro dom desconhecido por todos –o do Amor – chamados regularmente de profetas ou santos.  Deu-lhes uma incumbência sobre-humana. A de levar o homem a se conhecer melhor e melhorar seu próprio caráter e o de seus semelhantes.

     Deu ao homem uma consciência e é através dela que ele volta às suas origens.

     Foi percebendo que essa semente, apesar de tão pequena, poderia estragar toda sua criação que Ele resolveu enviar anjos para a Terra. Fez isso, mais uma vez, usando o próprio homem. Com sua ajuda e novamente parceiros, para salvarem o mundo.

   Homem e Mulher, juntos com Deus, fizeram sua reprodução. Uma criatura à imagem e semelhança dos três. Surgia aí a ESPERANÇA na forma de uma nova geração. Era o fruto do amor dos três no sorriso de uma criança e com todos os dons e capacidades de seus criadores.  

                     

                                                                    

 

                                       O QUE NÃO DEVO PERDER

                                                                   Por Maria Alice Müller

 

                             Que eu não perca o otimismo, mesmo diante de tantas notícias de guerra e de fome.

                             Que eu não perca a vontade de viver, mesmo diante das mostras de violência do mundo.

                              Que eu não perca o romantismo, mesmo diante de tanta dissolução de costumes.

                             Que eu não perca a disposição de ajudar as pessoas, mesmo que o retorno seja indiferença e frieza.

                             Que eu não perca o equilíbrio, mesmo diante de tanta loucura espalhada pelas drogas.

                             Que eu não perca a vontade de amar, mesmo sabendo que o amor está em desuso, substituído pelo interesse.

                             Que eu não perca a razão, ainda que o mundo aplauda a insanidade.

                             Que eu não perca a garra, mesmo tendo consciência de que minhas forças já não são as mesmas.

                             Que eu não perca o sentimento de justiça, ainda que o mundo de hoje desconheça o significado dessa palavra.

                            Que eu não perca a capacidade de fazer amigos, ainda que alguns me causem decepções.

                            Que eu não perca a luz e o brilho no olhar, porque se isso acontecer, de nada valerá conservar todas as outras coisas.

                           E, principalmente, que eu não recuse o forte abraço, gesto fraternal que significa quem dá e quem recebe, fazendo com que ambos se sintam grandes na doação do amor.